15/05/2019 as 16:20

GREVE DA EDUCAÇÃO

Protestos e paralisações contra cortes na educação ocorrem em SE

Estudantes, professores e representantes de sindicatos e movimentos sociais estão mobilizados contra o bloqueio de verbas que afetará universidades e institutos federais


Estudantes, professores, representantes de sindicatos e movimentos sociais foram às ruas de Aracaju nesta quarta-feira, 15, em protesto contra os cortes no repasse de recursos para a educação anunciados pelo Ministério da Educação (MEC). Pela manhã eles se concentraram em dois pontos e fizeram manifestações críticas contra o bloqueio de verbas na porta do Instituto Federal de Sergipe (IFS), na capital, e no campus da Universidade Federal de Sergipe (UFS), em São Cristóvão, o principal acesso foi fechado, impedindo a entrada de pessoas e veículos. Também aconteceram atos em frente à Câmara de Vereadores.

“Estamos nos somando aos professores e estudantes contra os cortes na educação e reforma da Previdência. Enviamos uma carta a cada vereador, pedindo sensibilidade contra a reforma da Previdência e intervenção para que haja diálogo com a Prefeitura de Aracaju sobre o piso salarial. Hoje é dia de luta, dia de estar nas ruas. Esses cortes na Educação vão atingir a todos, incluindo os professores que estão fazendo mestrado e que terão as bolsas cortadas ”, disse ao JORNAL DA CIDADE o professor Adelmo Meneses, presidente do Sindicato dos Profissionais do Ensino do Município de Aracaju (Sindpema).

Agora à tarde os manifestantes saíram em caminhada pelas ruas do Centro da capital sergipana. Minutos antes, ainda na concentração, que aconteceu na Praça General Valadão, a estudante Rafaela Almeida, do Instituto Federal de Sergipe (IFS), conversou com a equipe de reportagem do JC. Indignada com a medida do governo Bolsonaro, ela disparou: “Esse é um dos primeiros passos para acabar com a educação pública e de qualidade do Brasil. O IFS já faz muito com muito pouco de dinheiro. Difícil. Todos nós do IFS estamos unidos contra esse corte na Educação”.

Para o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Rubens Marques, o bloqueio de recursos para a educação anunciado pelo MEC é uma medida “irresponsável”, que não resolve, pelo contrário, só agrava a situação.  “O Brasil precisa de movimento de massa, e acho que nasce aqui esse movimento. Estamos aqui também para lutar contra a reforma da Previdência.  

Fotos: Jadilson Simões