24/05/2019 as 15:43

IBGE

Em 20 anos, população idosa em Sergipe pode chegar a 14,5%

Em Sergipe, ao final do ano que vem, os idosos serão 7,7% da população


Em 20 anos, população idosa em Sergipe pode chegar a  14,5%Foto: Jadilson Simões/Equipe Jc

É fato que o envelhecimento populacional é uma tendência em diversas nações, e as consequências podem ser refletidas nas despesas dos Governos, como a previdência social e a saúde. No Brasil, segundo dados do IBGE, espera-se que em 20 anos os idosos representem 17,4% da população, com perspectiva de chegar à 2060 em 25,4%.
Em Sergipe, ao final do ano que vem, os idosos serão 7,7% da população. Para 2040, projeta-se que eles compreendam 14,5% dos habitantes, proporção que se elevará para 23% também em 2060. Diante desse quadro, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) realizou pesquisa recente sobre o conhecimento das pessoas a respeito da reforma da Previdência, que está em discussão no Congresso Nacional.

Das 2.000 pessoas entrevistadas, em 126 municípios brasileiros, apenas 36% admitiu ter plena ciência dos itens apresentados pelo governo para o sistema previdenciário. O percentual evidencia a necessidade do brasileiro em conhecer mais sobre a reforma da Previdência, no intuito de compreender melhor as propostas que visam combater o déficit fiscal do país.

Dentre os que se consideram entendidos sobre o assunto, pouco mais da metade (59%) reconhecem a reforma como uma medida total ou parcialmente necessária. Porém, alguns pontos geram divergência na população, um exemplo é a determinação de uma idade mínima para a aposentadoria.

Embora nos últimos quatro anos o apoio de pessoas que concordam com a medida tenha subido de 65% para 72%, existe um número ainda superior (80%) que defende uma idade mínima menor que a proposta, para até os 60 anos ou menos.

Outros itens foram apresentados na pesquisa, como regras de pensão por morte proporcional ao número de dependentes, concessão de benefícios assistenciais a idosos de baixa renda e o impasse entre cortar gastos e aumentar impostos.

Sobre o último item, vale ressaltar que a maior parte da população concorda que sejam reduzidos os gastos com investimentos em infraestrutura e programas sociais, sendo as áreas menos citadas a segurança, saúde e sobretudo a educação, mencionada por apenas 3% dos entrevistados.

Fonte: Unicom / FIES