15/03/2019 as 12:03

Saúde

Preços de medicamentos serão reajustados em 6%

Sindicato diz que os medicamentos são reajustados anualmente.


Preços de medicamentos serão reajustados em 6%

A partir do dia 1º de abril, os preços dos medicamentos serão reajustados. A previsão é que o valor suba de 4,46% a 6,31%, mas ainda não há nada definido oficialmente. A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão que ajusta os valores, leva em consideração a influência do câmbio, oscilações do mercado, índice da inflação e os custos operacionais da indústria para estabelecer um valor.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos de Sergipe (Sicofase), Alex Cavalcante Garcez, explica que, anualmente, a CMED reajusta os medicamentos, esse aumento acontece sempre no mês de abril. “As farmácias não podem vender os remédios pelo preço que querem, quem determina o teto máximo é o Governo Federal. Dessa forma, são usados alguns parâmetros para estabelecer os valores”, esclarece.


Os valores são estabelecidos através de três classes: fitoterápicos, genéricos e equivalentes e os produtos de referência. “Ainda não foi nada oficializado, mas o valor deve girar entre 4,46 a 6,31%, mas ainda o governo não ‘bateu o martelo’, sabemos que vai aumentar, mas o índice real não foi divulgado, há só especulações” .

Quando o reajuste for divulgado, as farmácias já estão autorizadas para aplicar os novos valores dos medicamentos. “Os estabelecimentos já vão receber as tabelas com os reajustes e já podem repassar ao consumidor, mas há algumas farmácias que não repassam. Uma opção é a utilização dos genéricos e similares, que têm o preço mais acessível e há estabelecimentos que, inclusive, podem chegar a ter 50% de desconto, que são aqueles de uso contínuo”, explicou.


Alex Garcez diz que as farmácias já devem estar informando aos clientes sobre o aumento que ocorrerá nos próximos 15 dias. “O consumidor que for comprar um remédio a partir do dia 1º poderá ver uma diferença no preço. O aumento deve ocorrer principalmente nos produtos de marca. Vale lembrar que as farmácias possuem uma tabela com o preço de cada remédio e o estabelecimento não pode vender o produto com o preço acima do que está descrito na tabela”, reforçou.