18/06/2019 as 07:55

ARTIGOS

Como ficam Moro e a Lava Jato após as revelações do Intercept


Até o final da tarde do último domingo, havia três certezas sobre o ministro da Justiça, Sérgio Fernando Moro. (1) Era, conforme apontaram várias pesquisas, a personalidade política mais amada do país. (2) Tinha a tranquilidade de desempenhar sua função sem prejuízo da possibilidade de retomar em alto estilo à carreira de juiz, que abandonara para integrar o governo de Jair Bolsonaro – no caso, retornando à magistratura como ministro do Supremo Tribunal Federal, na primeira vaga que surgisse. (3) Era encarado pelos rivais e por analistas como um dos pré-candidatos potencialmente mais fortes para a eleição presidencial de 2022, juntamente com o próprio Bolsonaro e com o governador de São Paulo, João Doria.

Cada uma dessas certezas foi reduzida a pó naquele fatídico dia 9, quando diálogos reproduzidos pelo site The Intercept sugeriram que Moro, na condição de juiz federal, atuou como uma espécie de coordenador de fato da Lava Jato, a maior operação contra a corrupção já realizada no Brasil. As mensagens que vieram a público, até aqui não desmentidas nem por Sérgio Moro nem por qualquer um dos interlocutores revelados pelo Intercept, indicam que o atual ministro da Justiça orientou o Ministério Público sobre pontos estratégicos da investigação, inclusive indicando testemunha e trocando impressões sobre detalhes das ações em andamento.


Também revelam que os procuradores da Lava Jato trabalhavam com a explícita motivação de impedir que o ex-presidente Lula fosse não só proibido de disputar a Presidência da República como fosse autorizado a dar entrevistas que pudessem influenciar a campanha eleitoral afinal vencida por Bolsonaro.


Há quem diga que essa intimidade entre juiz e Ministério Público não é “nada demais”, porque vem de longa data e é muito comum na Justiça brasileira. Certo é, porém, que ela contraria as leis em um aspecto crucial. Espera-se tanto de um magistrado quanto de membros do Ministério Público que hajam de modo imparcial e impessoal.


Um efeito imediato do vazamento dos diálogos foi captado pela agência de monitoramento digital Bites. Nas primeiras 24h posteriores à publicação da reportagem, a hashtag #EuApoioALavaJato apareceu em 36,2 mil posts no Twitter. Seis vezes menos do que os 225,7 mil que estamparam a hashtag #VazaJato, encampada pelas pessoas que se chocaram com a lambança envolvendo Moro e os procuradores.


No momento em que escrevo este texto, anuncia-se um pronunciamento no Senado na semana que vem, no qual Sérgio Moro pretende dar explicações sobre as suspeitas que recaem sobre a sua conduta e afastar assim a abertura de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigá-lo. O que vem por aí é difícil, quase impossível dizer. De um lado, Moro teve razoável solidariedade entre integrantes do governo e, sobretudo, dos seus numerosos fãs anônimos. Do outro, o site responsável pelas denúncias promete fazer novas revelações, de conteúdo e efeitos ainda desconhecidos.


Ah, sim. Certeza podemos, sim, ter uma: na sempre tormentosa e complexa política brasileira, sempre desconfie de quem diz ter certeza de alguma coisa. (Fonte: Congresso em Foco)

Sylvio Costa/jornalista











Quer receber as melhores notícias no seu Whatsapp?

Cadastre seu número agora mesmo!

Houve um erro ao enviar. Tente novamente mais tarde.
Seu número foi cadastrado com sucesso! Em breve você receberá nossas notícias.